Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) - UGPE

Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim)

PROSAMIM I:

O PROSAMIM nasceu em 2003, quando iniciou um trabalho de formatação da gestão compartilhada com comunidades que seriam atendidas posteriormente. Para que suas ações promovessem a manutenção do desenvolvimento socialmente integrado e do crescimento econômico ambientalmente sustentável, assegurando a preservação do patrimônio ambiental de Manaus e do Estado do Amazonas, de forma a contribuir, em longo prazo, para melhoria contínua da qualidade de vida da população amazonense.

O PROSAMIM foi concebido como um programa global de obras múltiplas, compreendidas em dois componentes. O primeiro componente incluindo a execução de obras de melhoria ambiental, urbanística e habitacional e o segundo as atividades voltadas para o desenvolvimento comunitário e fortalecimento institucional das entidades públicas que participam do Programa, para que estas assegurem a sustentabilidade social e institucional.

O Prosamim I iniciou, em 2006, as duas primeiras intervenções do programa na Bacia dos Educandos, localizada na Zona Sul de Manaus, sendo esta a mais densamente povoada e ocupada por construções irregulares, em margens de igarapés.

Em 2009 as ações do programa foram expandidas com objetivo de dar continuidade às intervenções na Bacia dos Educandos, Igarapé Quarenta, em áreas parciais (sub-bacias) dos Igarapés Manaus, Bittencourt e do Mestre Chico.


PROSAMIM II

A segunda fase do programa deu continuidade de obras na Bacia dos Educandos, Quarenta e São Raimundo (trecho entre a Rua Maués e a Av. Dr. Rodrigo Otávio, Igarapé Cajual e Parque São Raimundo).

O objetivo geral do Programa era contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos habitantes das Bacias dos Igarapés Educandos-Quarenta (BIEQ) e São Raimundo (BSR).


PROSAMIM III:

O PROSAMIM III nasceu em 2012 e integrou as ações do Governo do Estado do Amazonas, consolidadas nas primeiras fases do programa. O objetivo geral da terceira fase do programa, foi estender as ações socioambientais desenvolvidas, para contribuir para a solução dos problemas ambientais, urbanísticos e sociais que afetavam a população que reside em áreas abaixo da cota 30m, na Bacia do Igarapé do São Raimundo (BISR), a fim de proporcionar a esse público melhores condições de vida.

O programa foi encerrado no ano de 2021, beneficiando diretamente mais de 600 mil pessoas moradoras das zonas sul e oeste, com obras de mobilidade urbana, parques residenciais, sistemas de drenagem, esgotamento sanitário, requalificações ambientais e urbanísticas das margens dos igarapés, resgate de equipamentos públicos, parques urbanos, praças e obras de mobilidade urbana.

O programa também proporcionou o reassentamento de quase 29 mil pessoas dos igarapés do 40, Mestre Chico e São Raimundo, 2 mil delas contempladas com novas unidades habitacionais próximas de suas antigas moradias, nos Parques Residenciais do São Raimundo e Mestre Chico 2.